Curso Teologia de Umbanda

Teologia de Umbanda Sagrada

Teologia é a ciência que trata de Deus seus atributos e perfeições, bem como suas relações com os homens. Há duas formas de estudar religião, de dentro para fora e de fora para dentro. De dentro, quem estuda é o religioso, fazendo e produzindo Teologia. De fora, quem estuda é o cientista da religião, por meio das Ciências Humanas.

Porque estudar Teologia de Umbanda Sagrada?

A TEOLOGIA TEM POR TAREFA EXPLICAR A RELIGIÃO

As Ciências da Religião (Humanas) procuram apenas entendê -la como um fenômeno humano seja um fato social, psicológico, antropológico, histórico, filosófico ou outros. Sem no entanto estudar ou aprofundar em seus fundamentos, tarefa esta da Teologia.

Todo religioso quando passa a explicar sua religião produz Teologia.

Só quem pode explicar a religião é o religioso, os demais devem tentar compreende-la.

Um Cientista pode questionar seus aspectos humanos nas mais variadas áreas. Apenas o religioso faz crer, ensinar, preparar e iniciar a outros religiosos, dentro de sua ciência a Teologia.

Esta Ciência pode ser definida como um estudo racional de seu universo religioso, o que envolve desde os fundamentos mais básicos de seu ritual – sua liturgia – até conceitos mais elaborados de sua Gênese ou Cosmologia.

Estudar Teologia é Estudar Religião.

Estudar Teologia de Umbanda é estudar a Religião de Umbanda.

Teologia de Umbanda Sagrada é um estudo de todo o universo de Umbanda, desde os Orixás passando pelos guias e vindo até nós. Aqui vamos abordar Umbanda de forma teórica, sem a pretensão de mostrar a ninguém como deve ser o trabalho prático que as entidades tão bem realizam em templo (terreiro/centro/tenda/abacá/núcleo e outros), simplesmente com o objetivo de sanar aquelas dúvidas que muitas vezes não conseguimos esclarecer no dia a dia dentro do templo.

É tempo de estudarmos realmente a Teologia de Umbanda Sagrada?

Podemos dizer que sim, pois, o estudo e a multiplicação do conhecimento sério e comprometido é a única maneira de mudarmos a atual situação da Umbanda, na qual cada um fala e faz o que quer dentro e fora da Religião de Umbanda. Uma boa parte, destes, não sabe o que faz, porque faz e nem o que diz. Simplesmente porque não tiveram interesse de estudar e se aprofundar no porquê de cada elemento que forma um todo, que identificamos como Umbanda. É certo que muitos não tiveram a oportunidade de estudar, principalmente no que diz respeito aos “antigos”, mas hoje em dia já não cabe mais esta justificativa ou desculpa. Se Umbanda é a sua religião você deve estudá-la, seja aqui ou por outro meio.

Sabemos das dificuldades em estudar a Umbanda de forma autodidata, pois já trilhamos este caminho, em que cada literatura afirma o contrário da outra e em que cada Mestre/Pai-de-santo/autor se torna o dono da verdade ultima de Umbanda.

Aqui não somos os donos da verdade ao estudar Umbanda, procuramos um caminho do meio, entre nossas convicções e a compreensão do “outro” umbandista. Cremos nos resultados de compreensão da religião por meio destes ensinamentos que permitiram a nós mesmos entender e praticar Umbanda de uma forma mais aberta e tranquila. Sem dogmas ou tabus, já que tudo pode e deve ser explicado à luz da razão.

Umbanda é Mais que o nosso terreiro.

Nosso terreiro é Umbanda, mas a Religião de Umbanda é mais que nosso terreiro. Nós somos Umbanda, mas Umbanda é muito mais que todos nós juntos. A Religião de Umbanda vai para além de conceitos e verdades locais ou limitadas a este ou aquele terreiro. Fato importante este pois muitos umbandistas ao se decepcionarem com o terreiro em que frequntam acabam abandonando a religião, porque estavam limitados ao templo físico e a seu orientador (sacerdote/dirigente/padrinho/pai-de-santo…).

Já foi comum na Umbanda, médiuns serem proibidos de ler livros de Umbanda, conhecer outras casas ou fazer perguntas sobre a religião.

Não podiam ler “para não fazer confusão”, não podiam freqüentar outras casas “para não cruzar as linhas” e não podiam fazer perguntas “porque não estavam preparados, ainda, para as respostas”.

Quando surgiram alguns Cursos de Umbanda, muitos foram e ainda são proibidos de freqüentar, e mais justificativas surgem, como “estão mercantilizando a Umbanda”, “Umbanda não se aprende em curso”, “vai pegar demanda” e outros.

Que outra forma existe para se organizar e passar o conhecimento de forma aberta e para todos?

Assumindo o fato de que nem sempre conseguimos manter um grupo de estudos em nosso próprio templo. Seja por falta de tempo ou desinteresse, fica a pergunta: Que outra forma existe para se organizar e passar o conhecimento de forma aberta e para todos? Quantos conseguem se dedicar ao estudo constante e ensino religioso organizado e comprometido? Os resultados deste estudo (Teologia de Umbada) são, afinal, positivos? Merecem crédito? Há frutos que comprovem ou justifiquem sua permanência e multiplicação?

A árvore se reconhece pelos frutos.

Já na década de 1950 as Federações e outros Órgãos de Umbanda organizavam cursos de Casamento e Batizado, para orientar seus filiados. Algumas organizações e terreiros preparavam apostilas de conteúdo doutrinário. Alguns seguiam mais por um modelo “Kardecista”, outros por um modelo “Africanista” e terceiros como o Primado de Umbanda por um modelo mais “indianista” e até esotérico.

O Primeiro curso de Umbanda aberto a todos, independente de serem ou não filiados, que temos noticia foi criado por Ronaldo Linares na década de 1970. Teve início como um “curso de médiuns” e com o tempo evoluiu para um Sacerdócio Umbandista. Rubens Saraceni criou o primeiro Curso de Teologia de Umbanda, em 1996, um curso teórico sobre a religião, no qual para estudar não é preciso ser médium e nem umbandista. Passados alguns anos estamos aqui contando milhares e milhares de pessoas que já se beneficiaram com este aprendizado.

Somos muitos que recebemos a missão de trabalhar na Umbanda e muitos a abandonam por não conseguir entender sua riqueza de elementos e complexidade litúrgica. Que, no entanto, podem ser explicados de uma forma simples, mas não simplista pois na Umbanda há muito o que se estudar.

Nada mais tranquilizador que entender o que se pratica, afinal como criar uma identidade umbandista, me reconhecer como tal, se não consigo ainda compreender o que vem a ser Umbanda.

X